Maturidade e comportamento

Nem todos os desafios da carreira de um líder técnico são de fato de ordem técnica, por muitas vezes a maturidade do líder vai ser posta à prova.

Nesse post falarei sobre uma lista de comportamentos que podem ajudar qualquer pessoa mas que são essenciais em um líder. O individuo dotado desses comportamentos será capaz de atuar na resolução de conflitos e na construção de um bom relacionamento com clientes, parceiros e outros individuos.

A lista foi criada por Virginia Satir no livro ‘Conjoint Family Therapy’

  1. ser claro ao lidar com outras pessoas
  2. estar consciente de seus próprios pensamentos e sentimentos
  3. ser capaz de ver e ouvir aquilo que o cerca
  4. comportar-se com relação a outra pessoa como alguém separado de si mesmo e único
  5. encarar diferenças como uma oportunidade de aprender e explorar e não como um sinal de conflito
  6. lidar com pessoas e situações em seus contextos, em termos de ‘como é’ ao invés de ‘como eu gostaria que fosse’
  7. assumir a responsabilidade pelo que sente, pensa, ouve e vê, ao invés de negar ou atribui-la aos outros
  8. possuir técnicas para checar, receber e expor abertamente o significado de determinados comportamentos

Para demonstrar o uso de tais comportamentos, vamos imaginar o seguinte caso:

– O líder de um time recebe constantes reclamações com relação a Ralph, um membro do time que têm se mantido fora de foco, produzindo menos do que o esperado. De certa forma, é compreensível que essa reclamação chegue ao líder do time antes do que ao próprio Ralph, afinal, todos conseguem facilmente se colocar em seu lugar e sentir o constrangimento de receber tal feedback.

Mas vamos imaginar que você é parte dessa equipe e possui todos os comportamentos listados anteriormente

Primeiro vamos supor que você é o Ralph:

– Você perceberia que as pessoas ao seu redor estão agindo estranhamente com relação à você (3), você seria capaz de checar com os outros para entender o quê estava acontecendo (8). Como você agiu de maneira direta e clara (1), sem julgar precipitadamente as reações alheias (6), provavelmente ninguém teria medo de lhe dar um feedback a respeito do problema. Com essa informação em mãos, você seria capaz de assumir a responsabilidade para lidar com o problema ao invés de culpar os outros por ‘não gostarem de você suficientemente’ (7).

Agora vamos supor que você é um dos membros do time, incomodado com a produtividade de Ralph.

– Você tem consciência de que Ralph não é você e portanto talvez não tenha consciência do problema (4). Você tem consciência de que Ralph não é uma ameaça a você (5). Você é capaz de dar uma informação construtiva e não violenta (8) sem que pareça uma acusação (6), dando a Ralph a oportunidade para fazer algo em relação ao seu problema.

Em ambos os casos, a presença de apenas um individuo com tais comportamentos resolveria o problema sem que o mesmo chegasse ao líder. Em equipes menos maduras, o líder certamente seria exigido em dobro utilizando estas técnicas para lidar com os dois lados do problema.